quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Feito de palavras


E hoje no morrer das tardes ensolaradas ou nubladas me coroe uma saudade cá dentro do peito, uma saudade do tom de sua voz, do movimento de seus lábios,do brilho de seus olhos penetrantes...Hoje cá dentro do peito,reina uma saudade do frisson que causava quando ouvia as histórias que me contava;repletas de anti-heróis,amor e morte onde tudo é possivel,tudo é permitido,com cores berrantes,gritos fortes e sussuros mais fortes ainda.Dramas do primeiro ao ultimo ato...Nascimento e morte
.”Estemundo é um lugar louco,sim?!” E em resposta ele me sorria,pigarreava,me olhava profundamente nos olhos e proseguia.Ele me moldou e partiu quando finalmente me achou pronto e bonito.
Foi desligando-se aos poucos, com cuidado para não ferir meu coração e cuidou ainda que permanecessem vivas em minha memória aquelas histórias.
Em um dia vulgar ele simplesmente não aparceu mais.
Hoje ele está ligado em outras essências, contando provavelmente as mesmas histórias, mas talvez, em um tom menos grave para não assustar os corações delicados; ou passou a contar histórias de contos de fadas... Sempre foi um rapaz inventivo, um belo rapaz inventivo!
Às vezes eu o encontro em alguma praça da cidade, sempre rodeado de amizades e eu o contemplo disfarçadamente do meio da multidão. Outras vezes ele me percebe, sorri naturalmente, vem ao meu encontro e abraça o meu corpo com um vigor todo humano e masculino como faz um pai.
E cumprimos este ritual repleto de simbolismos, de uma forma absolutamente digna, como convém a dois seres que se amaram... Como um profeta e seu discípulo.

18 comentários:

  1. Rômulo, um texto lindo..Sentido mesmo.Emociona...


    Beijão, amigo!

    ResponderExcluir
  2. Belo texto! Foi contado com a admiração do discípulo ao seu mestre!
    Pelo visto vou passar aqui mais vezes!

    Abraços!
    =D

    ResponderExcluir
  3. Belo texto.
    Se todos tivessem a mesma sabedoria diante de uma situação destas o mundo seria melhor.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  4. Incrível! Juro que me identifiquei com o "rapaz inventivo" da história, rs... Gosto desse tom nos seus textos. Essa sensibilidade moderna e onírica. Toda vez que te leio, vejo um pôr-do-sol, de um cais em um rio tranquilo.

    ResponderExcluir
  5. me arrepieii ..suaa palavras sempre bem colocadas .. que historia linda.. sabe... poder olhar nos olhos de quem amamos e dizer nossa eu tennteii e se num foi é pq num era p ser baijao lindo (sempre que eu puder akie ..

    ResponderExcluir
  6. É difícil não imaginar Você autor como eu lírico desse texto. Deste belíssimo e envolvente texto. Fato é que o texto nos leva mesmo pra uma paisagem bucólica. E me lembra a força que tem a presença da saudade...

    Parabéns pela obra, escritor!
    Abraço!

    ResponderExcluir
  7. que sentimento lindo este amigo ... o reconhecimento de um afeto sincero é algo dígno e relevante de um verdadeiro SER ... amei este seu depoimento poético sobre alguém que, ao que parece, é um grande SER ...

    acatei sua sugestão e ilustrei o meu post com a Marisa Monte ... Segue o Seco, e claro com créditos à sua referência super oportuna ...

    amo isto aqui querido

    bjux

    ;-)

    ResponderExcluir
  8. Um texto de sentimentos explícitos.
    Abraços.
    ________
    Convido você a ler os blogs que edito:
    JORNAL AFOGAND O OGANSO/ http;//afogandooganso.blogspot.com - Jornalístico, interativo, humor, deboche e mais e mais...
    AFOGANDO O GANSO ENTERTAINMENT/
    http://jafogandooganso.wordpress.com/ - Uma visão das coisas lúdicas do Rio de Janeiro, sua vida, cultura e entretenimento.
    Ah...pode deixar comentários, rsrsrsrsrs!
    ____
    Cheguei aqui pelo blog do Paulo.

    ResponderExcluir
  9. Muito lindo amigo...parabéns...
    Abraço
    Direto do Artesanando a vida

    ResponderExcluir
  10. E aí, Rômulo
    To meio sumido mesmo, nem tenho tido muito tempo de responder os cometários do meu blog direito!
    Haha
    Abraço

    ResponderExcluir
  11. Essa é a gratidão e consideração que tanto falta aos seres humanos. Felizmente ainda existem uns poucos capazes dessa nobreza.
    Abraço

    ResponderExcluir
  12. Cara, valeu pela visita em meu blog, sua sugestão ajudou e muito na decisão da banda que eu postei lá na mesma postagem, e foi o que vc gostou.

    Nosso som é clássicos do Rock, internacionais e nacionais. Vários covers e fazemos nossas músicas tb. Estamos voltando agora e faremos um show em SP.

    Com relação a sua postagem sinto muita saudade tb, de pessoas que amo que se foram, ou que apenas deram uma Adeus.

    Gostei da maneira como escreve. Vou voltar.
    Espero que retorne ao meu tb.
    abs

    ResponderExcluir
  13. Tipo a personagem de Osman lins, em Avalovara, feita de palavras...

    Continuemos, John...

    ResponderExcluir
  14. olha eu aqui \o/
    adorei o texto, mas é meio triste, não? E que bom que você não guarda rancor - a palavra certa não é essa, mas não me veio outra - das pessoas. Eu sou meio de cortar relações quando já não tem mais nada para acrescentar.

    e essa foto, hem, per-fei-ta.

    ResponderExcluir
  15. PARABENS..MARAVILHOSO
    A FOTO TRANSMITE EMOÇÃO

    BEIJO

    ResponderExcluir